fbpx

Educação Socioemocional começa em casa


Educação Socioemocional começa em casa e hoje vamos ver como a escola pode apoiar as famílias para reforçar os comportamentos e habilidades desenvolvidos em sala de aula.

Quando se trata da educação e desenvolvimento de crianças, não é novidade para ninguém que quanto mais cedo se forma o hábito, melhor.

Na Educação Socioemocional, não é diferente. Quanto antes as crianças iniciarem o desenvolvimento de suas habilidades sociais e emocionais, melhor. Por isso, que dizemos “educação Socioemocional começa em casa”. Esse aprendizado deve ser iniciado em casa e o papel de pais e mães certamente é fundamental.

Nos primeiros anos de vida, as crianças aprendem pelo exemplo. Tudo o que observam no mundo à sua volta – e nas atitudes e comportamentos dos pais, principalmente – molda a construção das crenças, valores e atitudes dela. Por isso nós, pais e mães, temos de estar muito atentos às nossas atitudes e reações no dia a dia. Nossos filhos e filhas estão sempre nos observando.

Se a criança aprende pelo exemplo, um primeiro passo positivo no sentido de educá-las nas habilidades socioemocionais é oferecer aos nossos filhos e filhas bons exemplos. Confira algumas maneiras de como podemos fazer isso no nosso dia a dia:

Frustrações

Que tal repensar a forma como você reage quando alguma coisa não sai conforme o que você esperava? Sim, nós sabemos que às vezes é difícil se controlar. Mas é importante fazer um esforço para encarar situações adversas com maior naturalidade. Reagir de maneira serena ajuda seu filho ou filha a entender que frustrações fazem parte da vida e que podemos lidar com elas sem perder a calma.

Diálogo verdadeiro

Quando entra numa conversa com seu filho ou filha, você também se abre para ouvi-lo(a) e demonstra interesse em compreender o que ele ou ela tem a lhe dizer? Compreender não significa concordar. Você pode entender um ponto de vista, mesmo discordando do que está sendo dito. Dialogar vai além de apenas expressar o que se passa com você; implica em também receber o que o outro tem a nos dizer com empatia. Lembre-se também de que diálogo não é uma disputa sobre quem está certo. Você pode ouvir e colocar respeitosamente seus pontos de vista, sem a necessidade de convencer o outro de que você está certo.

Coerência entre discurso e prática

É muito fácil estabelecer uma série de regras sobre a forma certa de agir e de se comportar. Difícil é conseguir que seu filho ou filha sigam essas regras se você, que as criou, não estiver pronto para segui-las. Suas atitudes comunicam de forma mais eficiente às crianças como elas devem se comportar no mundo. Portanto, viva o que você propõe para seu filho ou filha.

Os três exemplos acima mostram que a família, seja de forma consciente ou inconsciente, sempre participa do desenvolvimento das habilidades socioemocionais de seus filhos e filhas.

Sendo assim, é fundamental que pais e mães reconheçam o tamanho do papel que desempenham e tentem atuar em conjunto com os valores e práticas trabalhados na escola.

Ao apoiar a prática de comportamentos aprendidos na escola, pais e mães ajudam a transformá-los em hábitos. Dessa forma, reforça a transposição do que foi aprendido para a vida.

Para enfrentar esse desafio, que não é pequeno, a família precisa contar com o apoio da escola. Veja como a escola do seu filho pode ajudá-lo na tarefa:

Distribuição de materiais formativos

Uma escola com um programa bem estruturado de Educação Socioemocional sabe da importância da participação da família. Por isso, as melhores propostas nessa área sempre contam com materiais específicos, idealizados para serem utilizados em casa. Nesses livros, pais e mães geralmente encontram embasamento teórico para o desenvolvimento em cada faixa etária, o papel que podem desempenhar e ideias de como apoiar o fortalecimento das habilidades socioemocionais que estão sendo trabalhadas pela escola.

Apoio dos educadores da escola

Famílias participativas, interessadas em ajudar no desenvolvimento das habilidades socioemocionais, precisam contar com o apoio do professor ou professora de seu filho. Uma reunião individual, seja presencial ou remota, abre espaço de diálogo. E isso ajuda os pais e mães a entenderem como podem atuar no dia a dia. Assim, o aprendizado promovido em sala de aula, será reforçado em casa. Nas escolas que adotam o Programa MenteInovadora, por exemplo, o professor mediador pode ser de grande valor numa tutoria sobre como utilizar os jogos de raciocínio e os métodos metacognitivos que as crianças aprendem na escola.

Eventos socioemocionais

Assim como as tradicionais Feiras de Ciências ou de Artes, é possível organizar na escola campeonatos de jogos de raciocínio, por exemplo, ou eventos de contação de histórias. Essas modalidades estimulam a vivência em ambientes controlados de situações que envolvam a mobilização de habilidades socioemocionais. Encontros desse tipo, mesmo que virtuais, ajudam na aproximação entre pais e filhos. O que é essencial para a promoção da Educação Socioemocional em casa, e ajudam na formação dos familiares sobre as habilidades socioemocionais em desenvolvimento.

Nas escolas que adotam Programa MenteInovadora, da Mind Lab, as famílias recebem material específico para cada faixa etária. Nos livros, os pais aprendem como lidar com os desafios específicos que os filhos estão vivendo naquele momento. E assim, entendem como transformar esses desafios em oportunidades de desenvolvimento em família. Os jogos de raciocínio que acompanham o material ajudam nessa tarefa, além de aproximar a família, que aprende enquanto se diverte. Quer saber mais sobre o Programa MenteInovadora? Acesse o site da Mind Lab.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu