fbpx

Como ficam as provas na Era da Educação Híbrida?


Como ficam as provas na Era da Educação Híbrida? A pandemia impulsionou a entrada da escola na Era da Educação Híbrida. Como mostramos desde o início dessa série. O que agrega avanços tecnológicos à cultura tradicional escolar, gerando uma nova dinâmica nas relações de ensino e aprendizagem. Além de mudar a forma como professores e alunos se relacionam, o Ensino Híbrido muda também o nosso papel como pais e mães. Principalmente no acompanhamento da educação de nossos filhos. Isso exigirá certamente maior organização e capacidade de gerenciamento para conciliar as rotinas pessoais, profissionais e de estudo.

Ok, as famílias estão dispostas a assumir essa tarefa. Mas, uma pergunta deve estar martelando na cabeça de muita gente.

Como ficam as provas na era da educação híbrida?

Afinal, faz algum sentido avaliar conhecimento em testes à distância? Em que o professor não tem como garantir decerto que o aluno não esteja “colando”?

A eficiência das provas vinha sendo questionada muito tempo antes do coronavírus provocar o fechamento das escolas. A entrada na Era do Ensino Híbrido, na verdade, vai apenas acelerar um processo de transformação na forma como se avalia o conhecimento adquirido pelos jovens e crianças.

Mais do que um teste construído com o objetivo de forçar os limites dos alunos.

Diagnosticar deve ser o principal papel da avaliação nessa nova era. Entender em que ponto os alunos estão, para fornecer subsídios ao planejamento do professor com o objetivo de avançar a partir daquele ponto.

Mudança de cultura.

Parece uma coisa simples, mas é uma mudança enorme de cultura. Afinal, o professor perde uma ferramenta de poder, aquele provão que ameaçava o futuro dos alunos na escola. O importante é perceber que todos ganharam. Agora com uma nova cultura, que permite avançar a partir do ponto onde se está, em lugar de voltar atrás para refazer tudo o que já foi feito.

Provas, então, devem deixar de existir.

Em seu lugar, professores e estudantes trabalharão na construção de projetos que mobilizem os conteúdos ensinados para geração de resultados que mostrem o avanço dos alunos.

A nós, pais e mães, o aprendizado será apoiar nossos filhos no desenvolvimento desses projetos. Serpa preciso resistir à tentação de fazer por eles. Mais do que dizer o que precisa ser feito, teremos de aprender a formular perguntas que os estimulem a encontrar o caminho por conta própria.

Se você tem alguma dúvida sobre o poder das perguntas, sugerimos a leitura deste outro post: Como criar um jovem cientista?


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu