fbpx

Como desenvolver resiliência na pandemia


Como desenvolver resiliência na pandemia.

Em tempos normais, a resiliência era uma habilidade socioemocinal altamente desejável. No mundo da pandemia de Covid-19, ela se torna imprescindível. Afinal trata-se da competência que nos ajuda a tirar aprendizados da dor e do sofrimento para sairmos fortalecidos de situações adversas.

Nada mais apropriado para o momento que vivemos no mundo.

Mas como desenvolver resiliência em nossos filhos? A Associação Americana de Psicologia indica dez passos para criar filhos resilientes e mais seguros.

Veja como adaptá-los para o momento da pandemia.

Fortaleça as amizades

Use a tecnologia para manter e estreitar os vínculos. Marque encontros por meio de aplicativos. Amizades verdadeiras são aquelas que nos acompanham nos bons e nos maus momentos. Assim sendo, nos confortam e nos aliviam das tristezas. Manter o vínculo agora vai ajudar as crianças a se fortalecerem.

Faça com que ele se sinta útil 

Com a família confinada, criar rotinas de ajuda em pequenas tarefas de casa ganha outra dimensão. Assim sendo, compartilhar as responsabilidades é uma maneira de fazê-lo sentir-se útil e desenvolver a confiança nas próprias habilidades. Mostre também iniciativas que se formaram, em sua cidade e pelo mundo afora. Há diversas pessoas ajudando pessoas em situação de vulnerabilidade durante a crise da pandemia.

Estabeleça rotinas

Com o fechamento das escolas, muitas crianças podem ter se sentido um pouco perdidas. Estabelecer rotinas em casa para substituir as que foram abaladas pelo confinamento é fundamental. Essa atitude terá como efeito dar segurança ao seu filho, ajudando-o a entender o que acontece em cada momento. Dependendo da idade, ele também pode estabelecer as próprias rotinas.

Permita-se saborear uma pausa 

Se a rotina de aulas remotas está muito puxada, repare nos sinais de estresse. Permita que ele faça uma pausa. Junte-se ao seu filho para espairecer. Se quiser boas dicas de como brincar com ele em apenas 10 minutos, consulte este outro post. O importante aqui é ajudá-lo a entender o que sente e o que o faz sofrer.

Estimule o autocuidado

Não é porque estamos presos em casa que vamos relaxar no autocuidado. Garanta refeições completas e nutritivas. Reserve o tempo para o brincar, para exercitar-se e, especialmente, para descansar. Preferencialmente, deixe as telas desligadas a partir das 18h. Com isso, você garantirá uma noite de sono regular. Estar descansado é fundamental para lidar com situações estressantes.

Crie objetivos 

Façam planos realistas. Pensem, juntos, em formas de colocá-los em prática. A compreensão de que um objetivo não é alcançado imediatamente e de que é preciso trabalhar no ritmo certo para superar obstáculos o tornará decerto mais resiliente. Lembre-se de elogiar as conquistas. Tome cuidado para não criar rótulos.

Desenvolva a autoestima 

A pandemia vai acabar e a humanidade vai vencer mais esse vírus. Situações de pandemias anteriores, tão comuns na história do homem, provam que é possível superar situações difíceis. Assim sendo, ajude seu filho a extrair humor da vida e a perceber como a capacidade de rir de si próprio nos ajuda a enfrentar momentos tensos como o que vivemos.

Seja otimista 

Tudo, na vida, tem um lado bom. Até a pandemia. Parece difícil acreditar nisso agora. Mas quando ela acabar, teremos descoberto novas maneiras de nos relacionarmos que vão nos ajudar a sair do confinamento melhores do que entramos. Lembra da metade cheia do copo? É esse exercício que precisa ser praticado agora.

Promova o autoconhecimento 

A frustração de estar longe dos amigos e da escola, o tédio, a tristeza… Todos esses sentimentos nos oferecem uma oportunidade para que possamos nos conhecer melhor. Proponha ao seu filho que reflita sobre tudo o que ele está sentindo e o que ele pode aprender com esse momento.

Abrace as mudanças 

O mundo nunca mais será o mesmo. Nada vai adiantar resistir às mudanças. Aliás, a resistência só fará aumentar o sofrimento. Certamente se o seu filho aproveitar o momento para desenvolver a capacidade de adaptação, ele aprenderá a lidar melhor com os imprevistos da vida. Ter um plano é importante, saber a hora de alterá-lo é mais importante ainda.


4 Comentários. Deixe novo

  • COARACI CORA OLIVEIRA DA CUNHA
    outubro 1, 2020 17:47

    Em tempos de pandemia, trabalhar a resiliência em família, é fortalecer os laços familiares, superar os obstáculos, e preparar-se para aceitar as mudanças. É Resistir a pressão de situações adversas.

    Responder
  • COARACI CORA OLIVEIRA DA CUNHA
    outubro 1, 2020 17:48

    Em tempos de pandemia, trabalhar a resiliência em família, é fortalecer os laços familiares, superar os obstáculos, e preparar-se para aceitar as mudanças. É Resistir a pressão de situações adversas. É aceitar as mudanças.

    Responder
  • COARACI CORA OLIVEIRA DA CUNHA
    outubro 1, 2020 17:55

    O estranho, é que estou respondendo pela primeira vez esse tópico, mas saiu uma mensagem, de que eu já havia respondido a mesma coisa antes. Deve ser a sincronização tecnológica! Mas em relevância ao tema resiliência em família, como eu citei, é uma maneira de aproximação entre os membros de uma família! É o aprender a conviver, pensando no lado bom da pandemia, a quarentena fez que algumas famílias se unissem mais, se vissem mais…mas para outras, que já não estavam mais juntas, afastaram de uma só vez! Romper obstáculos é isso, trabalhar a convivência a apatia… o amor, e saber lidar com a situação!

    Responder
  • Andrea Lúcia Figueiredo Oliveira
    outubro 1, 2020 18:48

    Excelente reflexão, esses dez passos são muito bem colocados e podemos colocá-los em prática.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu