fbpx

Precisamos falar sobre isso: inteligência emocional


No vídeo desta semana, a psicóloga e pedagoga Jeanine Rolim fala sobre o que precisamos para desenvolvermos a inteligência emocional de nossos filhos

A evolução da ciência e das pesquisas não deixa mais dúvidas: inteligência emocional não é algo com que nascemos. Ela pode ser aprendida, pode e deve ser desenvolvida. E ela está, hoje, entre as qualidades mais desejadas pelas grandes empresas e corporações na hora de recrutar novos talentos.

Desenvolvê-la em nossos filhos, portanto, é uma necessidade.

No vídeo desta semana do movimento #PrecisamosFalarSobreIsso, a psicóloga e pedagoga Jeanine Rolim fala um pouco sobre os processos de desenvolvimento da personalidade – leia mais sobre como a personalidade se forma – e sobre o que precisamos para ajudar nossos filhos a desenvolver a inteligência emocional.

Precisamos, antes de mais nada, nos conhecer, saber como agimos, por que determinados comportamentos são ativados”, explica Jeanine.

Pesquisar e estudar os padrões de comportamento pode ser um bom início nesse caminho de desenvolvimento. Jeanine cita como ponto de interesse a Terapia do Esquema, desenvolvida pelo psicólogo americano Jeffrey Young.

Em sua teoria, Young identifica e classifica 18 comportamentos que ele chama de disfuncionais, porque atrapalham nossas relações e nossa vida. E explica como esses comportamentos se repetem num padrão estabelecido a partir de crenças muito antigas, arraigadas desde a construção da nossa memória afetiva, na primeira infância.

Jeanine Rolim é psicóloga, pedagoga, escritora e palestrante. Pós-graduada na Teoria da Modificabilidade Estrutural Cognitiva de Reuven Feuerstein, ela se especializou em Terapia Cognitivo Comportamental. Tem grande experiência em gestão educacional, atuou por dois anos junto à população de risco numa Organização Não-Governamental colombiana.

Atualmente trabalha como psicóloga clínica e faz palestras nas áreas de psicologia e educação, além de ser comentarista de rádio e TV nos temas relacionados a comportamento. É autora do livro Bullying sem blá-blá-blá, publicado em suas duas versões, uma dirigida às crianças e outra aos pais e professores.


2 Comentários. Deixe novo

  • Antonia Couto
    agosto 28, 2020 05:38

    A inteligencia emocional está atrelada ao alto conhecimento e aos esquemas do sistema emocional.

    Responder
  • Andrea Lúcia Figueiredo Oliveira
    setembro 23, 2020 19:08

    É importante lidar bem com a emoção, manter o equilíbrio, ter empatia, para que assim se desenvolva a inteligência emocional.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu