fbpx

A importância das habilidades socioemocionais em tempos de crise


Mind Lab promove live para ajudar as famílias a desenvolverem suas habilidades socioemocionais durante o confinamento e se prepararem para o “novo normal”

Tempos de crise, como o que vivemos em função da pandemia mundial de Covid-19, são momentos de ruptura. As estruturas, as crenças e os modelos que nos acostumamos a assumir como “normais” estão suspensos. Parte deles será totalmente substituída por novos padrões, outra parte será reinventada absorvendo adaptações. No mundo após a pandemia, um novo “normal” vai ressignificar as relações pessoais e profissionais.

Tudo o que é novo vem acompanhado de incertezas e ansiedades. Habilidades socioemocionais bem desenvolvidas são fundamentais para enfrentar com leveza e compreensão este momento de crise, em que as famílias estão isoladas, aprendendo a conviver de uma nova maneira.

Por isso, a Mind Lab vai promover na próxima quinta-feira (09/04) o 2º Encontro Mind Lab em Família: em tempos de quarentena, uma live sobre como utilizar esse período para descobrir novas formas de convívio utilizando as habilidades socioemocionais. Participarão do bate-papo, para o qual você está convidado, a humorologista e youtuber Maryana com Y e Thiago Zola, gerente de Projetos Pedagógicos da Mind Lab.

Para se preparar para o encontro, que tal conhecer algumas das habilidades sociemocionais que podem ser muito úteis nesse momento que vivemos?

Trabalho em grupo

Pais e mães trabalham em home office ao mesmo tempo em que são tutores da educação dos filhos e cuidam sozinhos, sem funcionários, das tarefas domésticas. É um enorme desafio, certo? Em momentos como esse, é preciso desenvolver foco nas ações e também um sentimento de equipe na família. Com tarefas bem distribuídas e todos engajados para completá-las, a carga fica mais leve para todos e os atritos se reduzem.

Liderança e proteção  

Crianças nem sempre estão preparadas para os perigos do mundo. E momentos de incerteza como o da pandemia podem despertar o medo e a ansiedade. Nós, como pais e mães, temos a responsabilidade de liderar esse processo de proteção emocional dos filhos, com consciência sobre quais informações sobre a pandemia nós compartilhamos e de que maneira fazemos isso. Um caminho interessante para evitar o excesso de informações, muitas delas desnecessárias, é perguntar aos filhos o que eles já sabem, o que já ouviram a respeito, e quais dúvidas têm sobre a doença.

Empatia e solidariedade

Momentos de isolamento como esse podem despertar sentimentos individualistas exacerbados, como se a segurança do núcleo familiar fosse a única coisa importante. Para que possamos viver numa sociedade saudável, porém, precisamos estimular a empatia e a solidariedade com todos os que estão vivendo essa crise. Estimular sentimentos de responsabilidade coletiva ajuda a compreender como as minhas atitudes individuais ajudam a fortalecer a saúde de todos aqueles com quem convivemos. Esse desenvolvimento é preconizado inclusive pela competência geral 9 da Base Nacional Curricular Comum, que fala em “exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação”.

E então, gostou destas ideias iniciais? Então não perca a nossa live nesta quinta-feira, a partir das 17 horas. Esperamos você por lá!


15 Comentários. Deixe novo

  • Ana Paula Utchuk
    abril 7, 2020 16:05

    Experiência riquíssima e essencial para as crianças vivenciaram nesse momento tão caótico que estamos vivendo!!! Pais devem aproveitar essa oportunidade

    Responder
  • Ana Paula Utchuk
    abril 7, 2020 16:13

    Fazer novos desafios, mostrar para as crianças que são capazes de cooperar, e vivenciar essa experiencia que estamos vivendo com muita harmonia e cooperação são peças chave para um grande crescimento moral!!!

    Responder
  • Monique Aparecida Pittarelli
    abril 7, 2020 17:08

    Concordo que é de suma importância em momentos de crise, refletirmos para manter a sanidade mental, é necessário conversar com a família, ter empatia com os outros ou seja não pensar só em nós, tendo responsabilidade para enfrentar este momento.

    Responder
  • Elisangela
    abril 7, 2020 17:10

    JÁ me inscrevi na live, quinta feira irei aprofundar meus conhecimentos.

    Responder
  • maria Regina
    abril 7, 2020 18:30

    Na verdade precisamos (re)aprender a lidar com tantas coisas que são conhecidas e ao mesmo tempo novas para nós. Tiinhamos outra forma de lidar com estas situações do cotidiano. Vamos aprender a valorizar muitas coisas, vamos aprender a conversar, e vamos descobrir muitos sentimentos que nem sabiamos mais que existiam.Precisamos de ajuda , muita ajuda para não nos perdermos no caminho.

    Responder
  • Audrea Simone Varella
    abril 7, 2020 20:36

    Gostei muito desse artigo. Acredito que tem que existir empatia e solidariedade no trabalho em grupo. A questão das crianças hoje poderem estar ficando em casa sozinhas me preocupa. A presença de um pedagogo e uma humorista na live sera ótima.

    Responder
  • Silvia Lima
    abril 7, 2020 20:54

    Muito bom! Conteúdo leve e pertinente ao que estamos vivendo! Parabéns

    Responder
  • Ana Lúcia
    abril 7, 2020 21:16

    É preciso cuidar das emoções das nossas crianças.

    Responder
  • Gisleine dos Santos Botelho
    abril 7, 2020 22:05

    É importante neste momento delicado em que estamos vivemos, precisamos repensar os nossos valores para contribuirmos na formação de um cidadão mais humano.

    Responder
  • Adriana Paula Maria Terzi Rosa
    abril 7, 2020 23:07

    Muito importante abordar esse assunto, principalmente nesse momento de crise em que percebemos que o “eu” sozinho não será capaz de se ajustar a essa “nova forma de viver” pós pandemia. Sem o outro não existe o eu.

    Responder
  • Rosangela Aparecida de Melo Silva Domingos
    abril 8, 2020 11:24

    É de extrema importância mostrar a criança o que está acontecendo no mundo, a conversa é essencial e deve ser clara, isto faz com que a mentalidade infantil possa estar sendo ampliada, o diálogo em casa a todo instante requer paciência, preparo e afetividade; com isto a cooperação ocorre e o tempo passa de uma forma mais satisfatória.

    Responder
  • Ana Lúcia Protásio de Almeida
    junho 4, 2020 22:02

    Esse novo normal é desafiador, muito embora, na minha opinião, acredito que com o desenvolvimento tecnológico as famílias, modo geral, consigam se adaptar a esse trânsito da história da humanidade. Certo modo, contando, com a universalização da educação, com a popularização da tecnologia, o único impeditivo é a falta de equidade. Mas, a sociedade está sim preparada para esse novo normal.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu