fbpx

O atrito nosso de cada dia


Seis dicas para lidar com o atrito e os sintomas da hiperconvivência entre irmãos

No nosso último post, apresentamos os sintomas desse novo fenômeno que está sendo chamado pelos psicológos de hiperconvivência, fruto do isolamento social das famílias em função da pandemia de Covid-19. Hoje, vamos ajudar você a lidar com ele na relação conflituosa entre irmãos.

Quem tem filhos sabe que brigas entre irmãos sempre existiram e não se limitam às crianças pequenas. O que começa como disputa por um brinquedo na infância vai se desdobrando em novos motivos à medida em que o tempo passa: quem toma banho primeiro, quem escolhe o filme na hora de assistir à TV, quem é o responsável pela bagunça no quarto compartilhado, quem não respeita o silêncio no momento do estudo…. As razões para o início da disputa são muitas.

A diferença é que agora, com a hiperconvivência, elas duram o dia todo!

Calma, mãe. A gente sabe que dá aquela vontade de berrar quando o atrito começa a pegar fogo. Respira fundo, mantenha a calma e siga as nossas 6 dicas para aprender a lidar com esse problema de forma mais tranquila.

1. Brigas são importantes

Por mais desgastantes que sejam para nós, pais e mães, as brigas e o atrito entre irmãos são processos psicológicos importantes para o amadurecimento. Elas representam uma oportunidade para que eles aprendam a exercitar a empatia e o respeito, além de experimentarem de forma mais intensa a frustração. E tudo isso vai ser fundamental na vida adulta. Conhecer essa informação é importante para que você passe a enxergar as brigas sob uma nova ótica, o que pode ajudá-la a manter a calma na hora de lidar com elas.

2. Saiba a hora de subir ao ringue

O nosso primeiro impulso, como pais e mães, é intervir logo ao ouvir os primeiros protestos para interromper a disputa que ainda vai começar. Mas, partindo da compreensão do que acabamos de explicar na primeira dica, é importante dar um tempinho para que eles tentem resolver sozinhos o atrito entre eles. Se você perceber que a situação está escalando para uma briga maior, aí sim é hora de agir e mediar a disputa.

3. Só o diálogo salva

Agressões e intolerância não nos ajudam a resolver as brigas. Podem até interromper uma disputa pela força, mas o que as crianças vão aprender com uma atitude violenta dos pais? A serem violentas também nas próximas brigas com entre irmãos. Diálogo deve ser a sua ferramenta principal de atuação. Converse muito, explique, insista na conversa e nas explicações. Repita as mesmas explicações sempre que for necessário. Dessa forma, eles vão aprender pelo exemplo que o diálogo é a única forma válida de resolver problemas.

4. Seja um mediador

Muitas vezes, nossa vontade é decidir por eles o que fazer e encerrar o assunto. Mandar cada um para o seu canto e guardar o brinquedo, ou tirar o controle remoto de cena, todavia, não vai ensiná-los a resolver os problemas. Atuando como mediador, ensine-os a propor soluções para a briga. Para encontrar uma saída que seja satisfatória, eles precisarão pensar no que está causando a disputa e em formas de solucionar essas causas. Se for bem conduzido por você, o processo promove o amadurecimento e é um ótimo aprendizado de resolução de conflitos.

5. Seja justo com ambas as partes

Você pode nem perceber que faz isso, mas uma das queixas mais comuns entre filhos mais velhos é o fato de os pais sempre terem ficado do lado dos mais novos nas brigas. Proteger o mais “fraco” é um instinto humano. Por isso, esforce-se para agir com justiça. Ouça igualmente os argumentos de ambos os filhos com a mesma paciência, tente filtrar suas preferências e crenças prévias sobre o comportamento de cada um, com o objetivo de ser justo na escolha da solução para o problema.

6. Controle suas reações

Mostrar os erros e comportamentos indesejados é importante. O problema é a forma como fazemos isso. Broncas exageradas, com berros, explosões, castigos severos e humilhações são péssimas, porque usam o medo como arma de controle e isso pode causar efeitos na autoestima das crianças. Tente controlar o nervosismo na hora do estresse para estabelecer limites de maneira respeitosa e calma. Lembre-se: crianças aprendem pelo exemplo. Portanto, não tenha dúvidas de que eles irão reproduzir, nas brigas futuras, as mesmas atitudes que você adota com eles.


4 Comentários. Deixe novo

  • Realmente é um grande exercício ,manter a calma no momento de conflitos entre irmãos. Mas é necessário.

    Responder
  • Maria Eleni Teles Siva
    agosto 4, 2020 23:11

    Atritos, discussões em família são comuns e em tempos de pandemia ainda mais frequentes devido a convivência dentro de casa; dicas interessantes para colocar em prática.

    Responder
  • Antonia Couto
    agosto 28, 2020 02:17

    Os conflitos acontecem, por isso o melhor caminho é o diálogo.

    Responder
  • COARACI CORA OLIVEIRA DA CUNHA
    outubro 4, 2020 12:03

    É DIFICIL, POR ESSE MOTIVO DIGO, A QUARENTENA VEIO PARA FAZER COM QUE REBUBINEMOS AS NOSSAS ATITUDES, E AMEMOS MAIS NOSSOS FILHAS, ESPOSAS, ESPOSAS, NETOS, E PASSAR A TERMOS MAIS RESPEITO POR TODOS DE NOSSA FAMÍLIA.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu