fbpx

Alerta! Os traumas de infância podem gerar danos psicológicos profundos


Todos nós passamos por algum tipo de trauma ao longo de nossas vidas. Porém, dependendo da intensidade, ele pode causar efeitos a longo prazo, preso em nosso subconsciente. Principalmente quando se fala de traumas de infância, período em que estamos emocionalmente frágeis e desprotegidos.

O problema psicológico originado pelos traumas é conhecido como transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). São vários os fatores de influência, tanto os externos causados por algo como um acidente, quanto os gerados por desordens emocionais dentro do núcleo familiar.

Ainda que não apresentem sintomas aparentes, seus danos podem ser devastadores para o emocional de uma criança. Entenda como eles funcionam e previna seus filhos.

 

Vídeo: a psicologia do transtorno de estresse pós-traumático

Neste TED Educacional, que pode ser assistido com legenda em português, os transtornos em torno dos traumas são explicados pelo ponto de vista clínico.

Assista para entender o problema com mais profundidade!

 

O quanto de nossa memória é real?

Segundo pesquisas, 40% de nossas memórias de infância são falsas.

Porém, sabemos que os traumas são reais e o quanto eles afetam a nossa autoestima. Isso significa que o emocional e o estado de humor são alterados de tal forma que, inclusive, irão distorcer outros acontecimentos que não são necessariamente negativos.

Uma pessoa traumatizada cria um filtro de dor e sofrimento para muitas coisas que lhe acontecem. Especialmente as que tiverem alguma relação, ainda que indireta com o fato ocorrido. Uma criança que experimenta a rejeição por parte dos pais, por exemplo, tende a projetar essa mesma sensação de abandono em relacionamentos futuros.

Ela também pode intensificar e recriar mais as memórias tristes do que as felizes. De acordo com o psicólogo Dr. Cristiano Nabuco: “isto é, se uma pessoa estiver deprimida, a chance de ela se recordar de mais eventos negativos de seu passado é muito maior do que se ela estiver, por exemplo, vivendo momentos de felicidade ou de euforia.”

O lado bom é que apesar de dolorosos, os traumas podem ser ressignificados ao longo da vida e até curados. Ou seja, ainda que as lembranças desses acontecimentos permaneçam, aos poucos, elas podem sim perder o poder sobre a sua vida e as suas emoções.

Apenas não é um trabalho simples e requer muita autodisciplina e consciência. Para a maioria das pessoas se faz necessária uma sequência de experiências e sensações intensas e frustrantes apenas para começar a ativar o processo de cura já na vida adulta.

 

É melhor prevenir do que remediar

Todas as famílias deveriam ter consciência que crescer em um lar estruturado é essencial para evitar tais problemas futuros. Da mesma forma, quando você tiver consciência de que seus filhos já passaram por algum tipo de trauma, é preciso buscar ajuda o quanto antes.

Não importa qual o problema vivenciado, seja o de vícios por parte dos familiares, divórcios conturbados, desprezo ou brigas constantes dentro de casa.

Infelizmente, é comum que os pais e mães apenas repitam padrões de seus próprios traumas emocionais de infância. Sem perceber, acabam os transferindo automaticamente para os filhos. Isso também nos ajuda a entender que a revisão precisa estar integrada com todos os membros da família.

Portanto, ajudar os filhos a curar seus traumas também requer auto-observação constante. Afinal, seus filhos são seus espelhos.

Deixe nos comentários alguma experiência sobre os traumas de infância!


8 Comentários. Deixe novo

  • Michele Brum
    abril 20, 2019 11:18

    Tive muitos traumas de infância, vínculos quebrados ,e na minha cabeça tudo se distorce!
    Tenho namorados fantásticos que não consigo enxergar assim!
    Sempre vejo só os defeitos deles , não consigo demonstrar amor !
    E não os perco!

    Responder
  • Quando criança sofri muito com a violência doméstica portanto hoje com 44 anos eu tenho um sentimento de grande dor como se fosse uma ferida e me sinto no fundo de um buraco negro

    Responder
  • Sofri todos os tipos de violência na infância de agressões físicas psicológica,abusos me sentia escrava e não parte da família que minha mãe construiu,me tratavam como se não fosse daquela família, hj me esforço para ser uma mãe diferente,mas estou colhendo os frutos dos meus traumas, sou forte mas a dor e a ansiedade começou a me vencer, estou sofrendo de ansiedade depressão e síndrome do pânico

    Responder
  • THAIS LIMA ROCHA
    setembro 6, 2019 19:56

    Depois de adulta desenvolvi sintomas de Estresse Pós traumático e ansiedade generalizada. Como surgiram depois, achei que não tinha a ver com um abuso sexual que sofri na primeira infância. Mas percebi, comparando com minhas irmãs que não passaram por isso, tenho quase um permanente estado de alerta e medo sem motivo aparente nenhum.

    Responder
  • Simone Portela
    outubro 11, 2019 03:57

    Quando crianca

    Responder
  • Simone Portela
    outubro 11, 2019 04:03

    Quando crianca,eu era sempre a que era chamada pra prestar favores,aoesar de ter muitos irmãos e primos,mas era só eu a prestativa,achava que faziam isso comigo,porque não gostavam dr mim dr verdade,quando cresci namorei muito,mas todos não queriam compromisso comigo,até que me casei,meu marido é uma.pessoa boa,mas pelos meus traumas,eu o maltrato,por vezes quando ele me pede pra fazer algo em.casa,eu acho que ele está me explorando!!!

    Responder
  • Simone Portela
    outubro 11, 2019 04:05

    Quando crianca,eu era sempre a que era chamada pra prestar favores,aoesar de ter muitos irmãos e primos,mas era só eu a prestativa,achava que faziam isso comigo,porque não gostavam de mim de verdade,quando cresci namorei muito,mas todos não queriam compromisso comigo,até que me casei,meu marido é uma pessoa boa,mas pelos meus traumas,eu o maltrato,por vezes quando ele me pede pra fazer algo em casa,eu acho que ele está me explorando!!!

    Responder
  • Tive muitos traumas na infância, ja fiz terapia , mas mesmo assim sinto q nao me ajudou, sofro com esses traumas até hoje.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu